À conversa com Bernardo Queiroz: 25 anos de Terra Incógnita

0

Numa saída para observar golfinhos, no rio Tejo, tivemos a possibilidade de conversar com Bernardo Queiroz, o fundador da Terra Incógnita, sobre a empresa e a sua evolução no mercado bem como projetos futuros.

Bernardo Queiroz

A Terra Incógnita é uma escola de vela que foi criada, em 1996, por dois jovens universitários (Bernardo e André) que se separam um pouco mais tarde. Para Bernardo Queiroz a escola, ao longo dos anos, tem vindo a crescer, tem evoluído na forma de trabalhar nas áreas de negócio onde está inserida. O enfoque no cliente e na prestação de um serviço de qualidade e rigoroso, têm sido fatores de sucesso da escola, assentes numa equipa de colaboradores que o têm ajudado nesta missão de democratizar a vela e levar este desporto a mais pessoas.
25 anos parece muito tempo mas para Bernardo Queiroz ainda muito vivo na sua memória, o início com barcos First Class 8, as regatas para Sesimbra e as velejadas míticas. Este desenvolvimento e aprendizagem têm sido acompanhados por patrocinadores de qualidade que o ajudaram a crescer!
Estes 25 anos marcam também um ponto de viragem e de continuidade. As preocupações ambientais e com a biodiversidade do estuário do rio Tejo e com o Mar, em geral, estão na linha da frente para Bernardo Queiroz que quer retribuir ao Mar todo o prazer que ele lhe tem proporcionado.
O rio Tejo e o seu estuário bem como o Canhão de Lisboa são locais de uma grande riqueza ao nível da fauna (golfinhos – comuns, roazes e orcas – tubarões martelo e azuis, etc.) e flora marinha. A Terra Incógnita está empenhada em mostrar esta realidade através de saídas de barco para observação através do projeto Dolphin Wacht. Este projeto é mais do que uma área de negócio e, por isso, estabeleceu uma parceria com a WWF com a finalidade de sensibilizar as crianças (ir com biólogos às escolas falar desta realidade) e a comunidade piscatória, bem como os nautas em geral.
Para os seus colaboradores, a Terra Incógnita vai proporcionar experiências de mergulho com a finalidade de dar a conhecer a biodiversidade que está submersa.
Por fim temos a experiência de saídas num catamarã à vela. Bernardo Queiroz costuma passar as suas férias a bordo e, as fotografias de sítios de sonho ou as grandes vivências a bordo provocando a “inveja” de muitos! Por isso decidiu criar programas que replicam essas suas saídas, a preços acessíveis mas não de graça, para que as pessoas possam passar um dia ou uma semana a bordo e vivenciarem toda uma experiência da observação cetáceos, da navegação à vela entre portos mantendo sempre a mensagem da preservação da Natureza. Quem vive o Mar fica sensibilizado para a sua proteção!

Partilhe

Acerca do Autor

A redacção da Náutica Press prepara artigos e notícias do seu interesse, mantendo-o ao corrente do que se passa no universo da náutica de recreio e da náutica em geral, em Portugal e no Mundo.

Deixe Resposta